Bolas Copa do Mundo

1930 – Modelo T  (uruguaia) com 70 cm e Tiento (argentina) com 68 cm de diâmetro

bolas-copa-do-mundo-1930-museu-da-copa

A primeira copa do mundo trouxe uma bola dividida em 12 partes e com uma costura nada discreta o que fazia com que vários jogadores usassem uma bandagem na cabeça para se proteger. A curiosidade ficou por parte dos modelos utilizados na final. A Argentina fazia questão de usar seu modelo (um pouco menor e mais leve) e os Uruguaios, o deles. O acordo foi que cada bola seria utilizada por meio tempo. Assim o primeiro tempo foi utilizada a bola Argentina que venceu o período por 2 x 1 e no segundo tempo, utilizando a bola Uruguaia, estes viraram o jogo para 4 x 2 e se sagraram os primeiros campeões mundiais.

1934 – Federale 102

bolas-copa-do-mundo-1934-museu-da-copa

Bola de couro e dividida em 12 gomos. Possuía praticamente as mesmas especificações da bola de 1930 – pesada e com as mesmas costuras externas o que fazia os jogadores ainda utilizassem as faixas ou toucas na cabeça para se protegerem.

1938 – Allen

bolas-copa-do-mundo-1938-museu-da-copa

Praticamente a mesma bola utilizada nas duas copas anteriores. A maior diferença era o couro.

1950 – Duplo – T

bolas-copa-do-mundo-1950-museu-da-copa

Finalmente estavam descartadas as costuras externas. A primeira revolução das bolas de futebol nas copas do mundo se deu no Brasil em 1950. Apesar de possuir os mesmos 12 gomos a Duplo – T trazia uma câmara interna inflada com válvula de enchimento (similar às utilizadas até os dias atuais).

1954 –  Swiss WC Match Ball

bolas-copa-do-mundo-1954-museu-da-copa

Apesar de similar à de 1950 esta bola trazia 18 gomos e ficou marcada como uma das primeiras padronizações da FIFA em copas do mundo devido ao seu peso e diâmetro.

1958 – Top Star

bolas-copa-do-mundo-1958-museu-da-copa

Possuía os mesmos 18 gomos de 1954. Ficou marcada devido a sua escolha, pois, pela primeira vez, a FIFA fez um teste entre fabricantes. Estima-se que mais de 100 empresas participaram da escolha. Havia sua versão em duas cores.

1962 – Mr. Crack

bolas-copa-do-mundo-1962-museu-da-copa

Apesar de ter sido a primeira bola de copa do mundo a ter tido “ajuda” da Adidas, a Mr. Crack recebeu inúmeras críticas pelo fato de absorver a água da chuva e ficar extremamente pesada. Era composta de 18 formas poligonais irregulares.

1966 – Challenge 4-Star

bolas-copa-do-mundo-1966-museu-da-copa

Esta bola foi a última antes da “Era Adidas”. Com 24 gomos também foi a escolhida entre uma seleção efetuada pela FIFA.

1970 – Telstar

bolas-copa-do-mundo-1970-museu-da-copa

 

A partir de 1970 a Adidas passa a fabricar as bolas de copa do mundo dando início à terceira geração de bolas. Uma mistura do nome Televisão e Estrela (em inglês), a Telstar possuía 32 gomos (com 12 pentágonos pretos e 20 hexágonos brancos). A distinção das cores serviu para facilitar a transmissão em preto e branco pelas emissoras. Esta foi a primeira bola a ter “um nome”, pois as demais levavam o nome da sua marca.

1974 – Telstar Durlast

bolas-copa-do-mundo-1974-museu-da-copa

Com pequenas diferenças nos escritos foi praticamente a mesma bola utilizada em 1970.

1978 – Tango

bolas-copa-do-mundo-1978-museu-da-copa

Seu nome foi uma homenagem à tradicional dança argentina. Seu desenho com 12 círculos iguais permaneceu até a copa de 1998. Possuis os mesmos 32 painéis de suas antecessoras.

1982 – Tango Espana

bolas-copa-do-mundo-1982-museu-da-copa

Praticamente idêntica a bola da última copa. Destacou-se por ser a última bola de couro utilizada em copas do mundo e por ser mais resistente à água.

1986 – Azteca

bolas-copa-do-mundo-1986-museu-da-copa

A bola Azteca foi a primeira inteiramente fabricada com um material sintético e possuía uma decoração típica da civilização asteca.

1990 – Etrusco Único

bolas-copa-do-mundo-1990-museu-da-copa

Homenagem à civilização etrusca, a bola de 1990 trazia três leões que decoravam o seu desenho.

1994 – Questra

bolas-copa-do-mundo-1994-museu-da-copa

Seu significado era “a busca para as estrelas”.

1998 – Tricolore

bolas-copa-do-mundo-1998-museu-da-copa

Foi a última com o design da Tango de 1978. Foi a primeira bola colorida, em homenagem às cores da França

2002 – Fevernova

bolas-copa-do-mundo-2002-museu-da-copa

Primeira bola a apresentar um design futurista. Considerada mais leve trazia muitas mudanças técnicas. Recebeu muitas críticas. Esta bola deu início a quarta e última geração de bolas – as tecnológicas.

2006 – Teamgeist

bolas-copa-do-mundo-2006-museu-da-copa

Seu significado é “espírito de equipe” em alemão. Foi a primeira bola 100% impermeável. Suas junções no 14 painéis eram seladas pelo calor e não costuradas.

2010 – Jabulani

bolas-copa-do-mundo-2010-museu-da-copa

Sem dúvida a mais criticada bola da história das copas do mundo. Sua tradução seria “festejar”. Trazia uma estampa em onze cores simbolizando os jogadores das equipes e as 11 línguas da África do Sul.

2014 – Brazuca

bolas-copa-do-mundo-2014-museu-da-copa

Em votação, 77,8% dos mais de um milhão de brasileiros escolheram o nome Brazuca ao invés dos nomes “Bossa Nova” ou “Carnavalesca”. Foi claramente aprovada pelos jogadores após o “fracasso” da bola de 2010.

2 thoughts on “Bolas Copa do Mundo

  1. Sou colecionador de bolas oficiais de futebol. Parabéns pela coleção. As mais antigas, antes de 1970, caso em algum momento tenham interesse em vender, tenho interesse em comprar. Att.

Deixe uma resposta para museu-copa Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>